ELA É A NOSSA RAINHA SANTA

01-01-2014 21:15
Pormenor de “A Coroação da Virgem Maria”, tela de Diogo Velázquez, Museu do Prado, Madrid.
Pormenor de “A Coroação da Virgem Maria”, tela de Diogo Velázquez, Museu do Prado, Madrid.

A fé em que o próprio Deus se fez homem é a alegre convicção da Igreja desde os seus inícios. Para vir ao mundo, Deus quis servir-se da livre cooperação de uma criatura, Maria, para ser mãe do seu Filho, pela ação do Espírito Santo. E a Igreja, desde o seu começo, honra a Maria como filho de Deus Pai, mãe de Deus Filho, esposa de Deus Espírito Santo. Como Deus escolheu Maria? Como se deu a conceção do Filho de Deus? Por que chamamos Maria Virgem e Mãe?

1.Como se deu conceção humana do Filho de Deus?
O momento histórico, previsto por Deus desde toda a eternidade, teve lugar num povoado da Galileia, em Nazaré, quando o anjo Gabriel apareceu a Maria, jovem judia, “uma virgem desposada com um homem chamado José, da casa de David, o nome da virgem era Maria”, diz S. lucas no capítulo 1 do seu Evangelho.

Para vir ao mundo Deus quis servir-se da livre cooperação de uma criatura, Maria, para ser mãe do seu Filho. «O Pai das misericórdias quis que a aceitação, por parte da que Ele predestinara para Mãe, precedesse a Encarnação, para que, assim como uma mulher contribuiu para a morte, também outra mulher contribuísse para a vida».
CIC 488-504-511


 

2. Como Deus escolheu Maria? Que disse o Anjo Gabriel a Maria, em Nazaré, e Maria que respondeu?
É S. Lucas que o conta no primeiro capítulo do seu Evangelho: Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo! Ao ouvir estas palavras, ela ficou desconcertada e perguntava-se que podia significar tal saudação. Mas o Anjo disse-lhe: «Não temas, Maria, porque Deus porque encontraste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um Filho e dar-lhe-ás o nome de Jesus. Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo- E o Senhor dar-lhe-á o trono de seu pai David, e Ele reinará para sempre sobre a casa de Jacob e o seu reinado não terá fim».

Maria disse ao Anjo: «Como pode ser isso, se eu não conheço varão? O Anjo respondeu-lhe: «O espírito Santo descerá sobre ti e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso o menino será Santo e chamar-se-á Filho de Deus».

Jesus foi concebido pelo Espírito Santo no seio da Virgem Maria, porque Ele é o Novo Adão que inaugura a criação nova: “O primeiro homem veio da terra e do pó: o segundo homem veio do céu”. A humanidade de Cristo é, desde a sua conceição, cheia do Espírito Santo, porque Deus “não dá o Espírito por medida”, diz S. João.
CIC 504

Contemplar o mistério
Como nos teríamos comportado se tivéssemos podido escolher a nossa mãe? Julgo que teríamos escolhido a que temos, enchendo-a de todas as graças. Foi o que Cristo fez, pois sendo Omnipotente, Sapientíssimo e o próprio Amor, seu poder realizou todo o seu querer.
Cristo que passa, 171

A nossa Mãe meditou longamente as palavras das mulheres e dos homens santos do Antigo Testamento, que esperavam o Salvador, e os acontecimentos de que foram protagonistas. Admirou o cúmulo de prodígios e o excesso da misericórdia de Deus com o seu povo, tantas vezes ingrato. Ao considerar esta ternura do Céu, incessantemente renovada, brota o afeto do seu Coração imaculado: a minha alma glorifica o Senhor; e o meu espírito exulta em Deus, meu Salvador. Porque lançou os olhos para a baixeza da sua escrava. Os filhos desta boa Mãe, os primeiros cristãos, aprenderam com Ela, e nós também podemos e devemos aprender.
Amigos de Deus, 241

3. Maria foi livre ao responder aos planos que Deus tinha para Ela?
Maria é convidada a conceber aquele em quem habitará corporalmente a plenitude da divindade e pergunta o que não entende: “Como se fará isto pois não conheço varão?”. A resposta divina à sua pergunta foi: “O Espírito Santo virá sobre ti”. E Ela pronunciou o seu “fiat” (Faça-se em mim segundo a palavra) loco totius humanae naturae ("ocupando o lugar de toda a natureza humana”).

A Virgem Maria com a sua fé e a sua resposta livre assumiu o plano de Deus para a salvação dos homens. Pela sua obediência, ela converteu-se na nova Eva, mãe dos viventes.
CIC 511-484

Contemplar o mistério

Ó Mãe, Mãe! com essa tua palavra - "fiat" - tornaste-nos irmãos de Deus e herdeiros da sua glória

Não esqueças, meu amigo, que somos crianças. A Senhora do doce nome, Maria, está recolhida em oração. Tu és, naquela casa, o que quiseres ser: um amigo, um criado, um curioso, um vizinho... - Eu, por agora, não me atrevo a ser nada. Escondo-me atrás de ti e, pasmado, contemplo a cena: O Arcanjo comunica a sua mensagem... - Quomodo fiet istud, quoniam virum non cognosco? –
Como se fará isso, se não conheço varão? (Lc 1, 34). A voz da nossa Mãe traz à minha memória, por contraste, todas as impurezas dos homens..., as minhas também.

E como odeio, então, essas baixas misérias da terra!... Que propósitos!
Fiat mihi secundum verbum tuum.- Faça-se em mim segundo a tua palavra (Lc I, 38). Ao encanto destas palavras virginais, o Verbo se fez carne. Vai terminar a primeira dezena... Ainda tenho tempo para dizer ao meu Deus, antes de qualquer mortal: Jesus, amo-Te.
Santo Rosário, primeiro mistério gozoso.

Ó Mãe, Mãe! com essa tua palavra - "fiat" - tornaste-nos irmãos de Deus e herdeiros da sua glória. - Bendita sejas!
Caminho, 512

A Virgem não só disse fiat, mas também cumpriu essa decisão firme e irrevogável a todo o momento. Assim, também nós, quando o amor de Deus nos ferir e soubermos o que Ele quer, devemos comprometer-nos a ser fiéis, leais, mas a sê-lo efectivamente. Porque nem todo o que me diz: Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus; mas o que faz a vontade de meu Pai, que está nos Céus, esse entrará no reino dos Céus.
Cristo que passa, 173

4. Que significa que Jesus foi concebido por obra e graça do Espírito Santo?
Significa que Deus se fez Homem sem intervenção de varão. Jesus só tem Deus como Pai (cf. Lc 2, 48-49). Significa que Maria foi Virgem. A virgindade de Maria manifesta a iniciativa absoluta de Deus na Encarnação.


 

«A natureza humana que assumiu nunca se afastou de seu Pai. Uno e o mesmo é o Filho de Deus e do homem, naturalmente Filho da sua Mãe segundo a humanidade, mas propriamente Filho de Deus nas suas duas naturezas» (Concílio de Friul, ano 796: DS, 619).
CIC 503

Contemplar oel mistério
preciso ir com o Menino a Jerusalém, para O apresentar ao Senhor (Lc II, 22). E desta vez, meu amigo, hás-de ser tu a levar a gaiola das rolas. - Estás a ver? Ela - a Imaculada! - submete-se à Lei como se estivesse imunda. Aprenderás com este exemplo, menino tonto, a cumprir a Santa Lei de Deus, apesar de todos os sacrifícios pessoais? Purificação! Sim, tu e eu, é que precisamos de purificação! Expiação e, além da expiação, o Amor. - Um amor que seja cautério: que abrase a imundície da nossa alma, e fogo que incendeie, com chamas divinas, a miséria do nosso coração. Um homem justo e temente a Deus, que, movido pelo Espírito Santo, veio ao templo - tinha-lhe sido revelado que não havia de morrer, antes de ver Cristo - toma o Messias nos braços e diz-Lhe: Agora, Senhor, agora sim; podes levar deste mundo, em paz, o Teu servo, conforme a tua promessa... porque os meus olhos viram o Salvador (Lc II, 25-30).
Santo Rosário, 4º mistério gozoso

5. Que relação há entre Eva e Maria?
Ao longo da Antiga Aliança, a missão de Maria foi preparada pela missão de santas mulheres. (Sara que concebe um filho, apesar da sua idade avançada, Ana, mãe de Samuel, Débora, Rute, Judite). Logo no princípio, temos Eva; apesar da sua desobediência, ela recebe a promessa de uma descendência que sairá vitoriosa do Maligno, conta o livro do Génesis.

Com Maria, excelsa filha de Sião, passada a longa espera da promessa, cumprem-se os tempos e inaugura-se a nova economia da salvação. Maria sobressai entre os humildes e os pobres do Senhor que esperam dele com confiança a salvação e a acolhem.
CIC 489

Contemplar o mistério
Se tu e eu tivéssemos tido poder, tê-la-íamos feito também Rainha e Senhora de toda a criação. Um grande sinal apareceu no céu uma mulher com uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça. - O vestido de sol. - A lua a seus pés (Apoc. XII, 1). Maria, Virgem sem mancha, reparou a queda de Eva; e esmagou, com o seu pé imaculado, a cabeça do dragão infernal. Filha de Deus, Mãe de Deus, Esposa de Deus
Santo Rosário, 5º mistério glorioso

6. Que significa que Maria é cheia de graça?
O anjo Gabriel, no momento da Anunciação, saúda-a como «cheia de graça» (Lc 1, 28). Efetivamente, para poder dar o assentimento livre da sua fé ao anúncio da sua vocação, era necessário que Ela fosse totalmente movida pela graça de Deus.

Pensa em Santa Maria, a cheia de graça, Filha de Deus Pai, Mãe de Deus Filho, Esposa de Deus Espírito Santo: no seu Coração cabe a humanidade inteira sem diferenças nem discriminações. Cada um é seu filho, ou sua filha.

Significa que foi concebida sem pecado original. Ao longo dos séculos, a Igreja tomou consciência de que Maria, «cumulada de graça» por Deus (Lc 1, 28), tinha sido redimida desde a sua conceição. É o que confessa o dogma da Imaculada Conceição, procla¬mado em 1854 pelo Papa Pio IX: ”Por uma graça e favor singular de Deus omnipotente e em previsão dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do género humano, a bem-aventurada Virgem Maria foi preservada intacta de toda a mancha do pecado original no primeiro instante da sua conceição” (Pio IX, Bula Ineffabilis Deus: DS, 2803).
CIC 490-491

Contemplar o mistério
Não existe coração mais humano do que o de uma criatura que transborda de sentido sobrenatural. Pensa em Santa Maria, a cheia de graça, Filha de Deus Pai, Mãe de Deus Filho, Esposa de Deus Espírito Santo: no seu Coração cabe a humanidade inteira sem diferenças nem discriminações. Cada um é seu filho, ou sua filha.
Sulco, 801

Maria, Regina pacis, Rainha da Paz, porque tiveste fé e acreditaste que se cumpriria o anúncio do Anjo, ajuda-nos a aumentar a Fé, a sermos firmes na Esperança, a aprofundar o Amor. Porque é isso que quer hoje de nós o teu Filho, ao mostrar-nos o seu Sacratíssimo Coração.
Cristo que passa, 170

7. Como pode uma mulher ser Mãe de Deus?
Maria é verdadeiramente «Mãe de Deus», pois é a Mãe de jesus Cristo, Filho eterno de Deus feito homem que, Ele próprio, é Deus, como nos diz a Revelação de Deus através da Sagrada Escritura. Uma verdade de fé vivida por todos os cristãos desde os primeiros tempos.

O olhar da fé pode descobrir, em ligação com o conjunto da Revelação, as razões misteriosas pelas quais Deus, no seu desígnio salvífico, quis que o seu Filho nascesse de uma virgem. Tais razões dizem respeito tanto à pessoa e missão redentora de Cristo como ao acolhimento dessa missão por Maria, para bem de todos os homens:
CIC 509-502

Contemplar o mistério
A nossa Mãe é modelo de correspondência à graça e, ao contemplarmos a sua vida, o Senhor dar-nos-á luz para que saibamos divinizar a nossa existência vulgar. Durante o ano, quando celebramos as festas marianas, e cada dia em várias ocasiões, nós, os cristãos, pensamos muitas vezes na Virgem. Se aproveitamos esses instantes, imaginando como se comportaria a nossa Mãe nas tarefas que temos de realizar, iremos aprendendo a pouco e pouco, até que acabaremos por nos parecermos com Ela, como os filhos se parecem com a sua mãe.
Cristo que passa, 173

8. Por que também é mãe dos cristãos e mãe da Igreja?
Jesus é o Filho único de Maria. Mas a maternidade espiritual de Maria estende-se a todos os homens a quem Ele veio salvar: “Deu à luz o Filho a quem Deus constituiu como o Primogénito entre muitos irmãos (Rm 8, 29), isto é, dos crentes, para cujo nascimento e educação colabora com amor de mãe”.

S. João, no capítulo 19 do se Evangelho inclui as palavras de Jesus à sua mãe: Junto da cruz de Jesus, estava a sua mãe e a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. Ao ver a mãe e junto dela o discípulo a quem amava, Jesus disse-lhe: “Mulher, eis o teu filho”. Depois disse ao discípulo: “Aí tens a tua Mãe”.

Efetivamente, a Virgem Maria é reconhecida e honrada como verdadeira Mãe de Deus e do Redentor. Ao mesmo tempo, porém, é verdadeiramente "Mãe dos membros (de Cristo) [...], porque cooperou com o seu amor para que na Igreja nascessem os fiéis, membros daquela Cabeça". Maria, [...] Mãe de Cristo e Mãe da Igreja.
CIC 963-967

Maria é ao mesmo tempo virgem e mãe porque ela é a figura e a mais perfeita realização da Igreja: “A Igreja converte-se em Mãe pela palavra de Deus acolhida com fé, já que, pela pregação e pelo batismo, gera para uma vida nova e imortal os filhos concebidos pelo Espírito Santo e nascidos de Deus. Também ela é virgem que guarda íntegra e pura a fidelidade prometida ao Esposo”.
(Constituição Dogmática Lumen Gentiium, 64).
CIC 501-507

Maria edifica continuamente a Igreja, reúne-a, mantém-na coesa. É difícil ter autêntica devoção à Virgem sem nos sentirmos mais vinculados aos outros membros do Corpo Místico


Contemplar o mistério
Mãe, tu trouxeste ao mundo Jesus, que nos revela o amor do nosso Pai, Deus; ajuda-nos a reconhecê-lo, no meio das preocupações de cada dia; remove a nossa inteligência e a nossa vontade, para que saibamos escutar a voz de Deus, o impulso da graça.
Cristo que passa, 174

Nestes dias, vendo como tantos cristãos exprimem dos mais diversos modos o seu carinho à Virgem Santa Maria, também vós certamente vos sentis mais dentro da Igreja, mais irmãos de todos esses vossos irmãos.
É uma espécie de reunião de família, como quando os irmãos que a vida separou voltam a encontrar-se junto da Mãe, por ocasião de alguma festa. Ainda que alguma vez tenham discutido uns com os outros e se tenham tratado mal, naquele dia não; naquele dia sentem-se unidos, reencontram-se unidos, reencontram-se todos no afeto comum.

Maria, na verdade, edifica continuamente a Igreja, reúne-a, mantém-na coesa. É difícil ter autêntica devoção à Virgem sem nos sentirmos mais vinculados aos outros membros do Corpo Místico e também mais unidos à sua cabeça visível, o Papa. Por isso me agrada repetir: Omnes cum Petro ad Iesum per Mariam! - todos, com Pedro, a Jesus, por Maria! E assim, ao reconhecer-nos como parte da Igreja e convidados a sentir-nos irmãos na Fé, descobrimos mais profundamente a fraternidade que nos une à Humanidade inteira, porque a Igreja foi enviada por Cristo a todos os homens e a todos os povos.
Cristo que passa, 139

Consolo, auxílio, esperança, Rainha, Mãe. “Mãe! - Chama-a bem alto. - Ela, a tua Mãe Santa Maria, escuta-te, vê-te em perigo talvez, e oferece-te, com a graça do seu Filho, o consolo do seu regaço, a ternura das suas carícias. E encontrar-te-ás reconfortado para a nova luta”.
Caminho, 516

9. Que significa a Assunção de Nossa Senhora aos céus?

A Santíssima Virgem Maria, Imaculada, depois de terminar o curso de sua vida terrestre, foi elevada em corpo e alma à glória celestial, onde participa já da glória da ressurreição do seu Filho, antecipando a ressurreição de todos os membros do seu Corpo. Por isso “cremos que a Santíssima Mãe de Deus, nova Eva, Mãe da Igreja, continua no céu a desempenhar o seu ofício materno, em relação aos membros de Cristo”.
Credo do Povo de Deus, 15

A Igreja volta a olhar para Maria, a fim de contemplar nela o que a Igreja é no seu mistério, na sua «peregrinação da fé», e o que será na pátria ao terminar a sua caminhada, onde a espera, na «glória da santíssima e indivisa Trindade» e «na comunhão de todos os santos» aquela a quem venera como Mãe do seu Senhor e como sua própria Mãe».
«Assim como, glorificada já em corpo e alma, a Mãe de Jesus é imagem e início da Igreja que se há-de consumar no século futuro, assim também, brilha na terra como sinal de esperança segura e de consolação, para o povo de Deus ainda peregrino» (Constituição Dogmática Lumen Gentium, 68).
CIC 972-974

Contemplar o mistério
A festa da Assunção de Nossa Senhora apresenta-nos a realidade dessa feliz esperança. Somos ainda peregrinos, mas a Nossa Mãe precedeu-nos e aponta-nos já o termo do caminho. Repete-nos que é possível lá chegar e que, se formos fiéis, lá chegaremos, pois a Santíssima Virgem não é só nosso exemplo, mas também auxílio dos cristãos. E perante a nossa petição - Monstra te esse Matrem mostra que és Mãe - não pode nem quer negar-se a cuidar dos seus filhos com solicitude maternal.
Cristo que passa, 177

A Maternidade divina de Maria é a raiz de todas as perfeições e privilégios que a adornam. Por esse título, foi concebida imaculada e está cheia de graça, é sempre virgem, subiu ao céu em corpo e alma, foi coroada Rainha de toda a criação, acima dos anjos e dos santos. Mais que Ela, só Deus. A Santíssima Virgem, por ser Mãe de Deus, possui uma dignidade, de certo modo infinita, do bem infinito que é Deus. Não há perigo de exageros. Nunca aprofundaremos bastante este mistério inefável; nunca poderemos agradecer suficientemente à Nossa Mãe a familiaridade que nos deu com a Santíssima Trindade
Amigos de Deus, 276

 

O amor à Virgem Maria é caminho para chegar a Deus e encontra a sua expressão nas festas litúrgicas dedicadas à Mãe de Deus


10. Por que razão a Virgem Maria ocupa um lugar central na vida dos cristãos?
«Todas as gerações me hão-de proclamar ditosa», são palavras de Maria no Magnificat, reconhecendo o que Deus fez nela: «A piedade da Igreja para com a santíssima Virgem pertence à própria natureza do culto cristão». A santíssima Virgem «é com razão venerada pela Igreja com um culto especial. E, na verdade, a santíssima Virgem é, desde os tempos mais antigos, honrada com um culto especial. E, com efeito, desde os tempos mais antigos, se venera a Virgem Maria com o título de "Mãe de Deus", e sob a sua proteção se acolhem os fiéis implorando-a em todos os perigos e necessidades.

O amor dos cristãos à Virgem Maria e o culto que se lhe professa, embora inteiramente singular, difere essencialmente do culto de adoração que se presta por igual ao Verbo Encarnado, ao Pai e ao Espírito Santo. Este amor é caminho para chegar a Deus e encontra a sua expressão nas festas litúrgicas dedicadas à Mãe de Deus e na oração mariana, como o Santo Rosário, «resumo de todo o Evangelho».
CIC 971

Contemplar o mistério
Como se comporta um filho ou uma filha normal com a sua Mãe? De mil maneiras, mas sempre com carinho e confiança. Com um carinho que se manifestará em cada caso de determinadas formas, nascidas da própria vida, e que nunca são algo de frio, mas costumes muito íntimos de família, pequenos pormenores diários que o filho precisa de ter com a sua mãe e de que a mãe sente falta, se o filho alguma vez os esquece: um beijo ou uma carícia ao sair ou ao voltar a casa, uma pequena delicadeza, umas palavras expressivas (…). Muitos cristãos tornam seu o antigo costume do escapulário; ou adquirem o hábito de saudar (não são precisas palavras; o pensamento basta) as imagens de Maria que há em qualquer lar cristão ou que adornam as ruas de tantas cidades; ou dão vida a essa oração maravilhosa que é o Terço, em que a alma não se cansa de dizer sempre as mesmas coisas, como não se cansam os enamorados.
Cristo que passa, 142

Se estás orgulhoso de ser filho de Santa Maria, pergunta-te: quantas manifestações de devoção a Nossa Senhora tenho durante o dia, da manhã à noite?
Forja, 433

 

FONTE:  http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/por-que-amamos-nossa-senhora3f